"Deixa-te surpreender por Deus"

Deixar-se surpreender por Deus, essa frase resume como começamos a viver esta missão. 
Não sabíamos ao certo o que nos esperava... Acordar cedo? Esfregar o chão? Fazer o almoço? Não tínhamos a mínima ideia.

Foi uma chegada muito acolhedora por parte das missionárias argentinas. Belas mulheres, exemplo de força, fé e muita dedicação ao serviço e a este ideal de "levar o mundo inteiro a Cristo através da Imaculada". 

Rene e Ana - JMI na Argentina
Tivemos um lindo e marcante encontro com os Jovens da Milícia de Buenos Aires, pois mostramos como trabalhamos pela Imaculada aqui no Brasil: atividades que realizamos, camisetas de eventos e encontros e tudo o mais que possam imaginar. O ponto mais importante desta troca de experiências foi uma ligação via hangout com os coordenadores Carlos e Pricília. O nosso desejo é que todos pudessem partilhar deste momento, mas como a maioria estava de férias, não foi possível (rsrs). 


No dia 9 de janeiro partimos de Buenos Aires rumo à Rosário de Lerma – Salta (norte), para a tão esperada e até então incógnita missão. Foram duras e longas vinte e sete horas de ônibus pelas estradas argentinas com direito a tudo: sol escaldante de quase cinquenta graus, ônibus quebrado no meio da estrada, alto falantes que mais vaziam um barulho chato do que tocavam música... Mas chegamos bem.

Crucifixo usado na Missão
Foram nove dias de missão. Diariamente tínhamos pela manhã um momento de oração, onde aprofundávamos o espirito missionário e o tema da missão: “Olha-nos Mãe, e une nossos bairros”. Após esse momento tínhamos a Santa missa presidida pelo simpático, capoeirista e apaixonado pelo nordeste brasileiro Padre Alejandro Pezet. Um homem simples, próximo de seu povo, acolhedor e sempre disposto a ajudar. Comungávamos e nos fortalecíamos do Espirito Santo para mais um dia de muito trabalho.

E vamos ao trabalho! 
A missão consistia em visitar as famílias de quatro bairros levando a proposta de um momento de oração simples, onde o morador era convidado a falar e partilhar sobre a falta de união entre os bairros (uma briga que perdura anos sem motivos aparentes). Por isso do tema que citei mais acima. 

Nos dividíamos em duplas ou trios para fazer as visitas, que acontecia entre às 10h e 13h no período da manhã e 17h à 20h no período da tarde/noite.

Tivemos encontros diários para as crianças, que diga-se de passagem eram muitas. Todos os dias eram  cerca de 70 crianças. Os jovens (o grupo do qual Ana, Emília, Facundo e eu estávamos responsáveis) também tiveram seu momento, sendo realizado um  torneio de futebol que foi um sucesso, onde participaram aproximadamente 50 jovens. No dia seguinte foi feita a noite da pizza com os jovens, com direito a dança brasileira, encenação feita pelos próprios jovens e partilha dos problemas do bairro.

Houve também alguns encontros com as comissões dos bairros para trabalhar o tema e tentar retomar a construção da capela local e também dar inicio a uma comunidade que será chamada Bom Pastor. Para arrecadar dinheiro para a construção anotamos pedidos de empanadas, um salgado típico argentino, nas casas onde passávamos.

Bom a missão teve tantos momentos inesquecíveis para nós e para todos missioneiros que precisaria de mais algumas linhas...

Essa foi um pouco desta maravilhosa experiência que tivemos nesta missão, planejamos voltar no próximo ano e que maravilhoso seria se você também fosse viver isso, juntos por um mesmo ideal: 

Conquistar o mundo inteiro a Cristo, através da Imaculada”.

Renê do Vale e Ana Claudia Sousa



Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »
Postar um comentário
Obrigado pelo seu comentário